“Sobre o conceito de história”: Ler Walter Benjamin hoje

Bom dia,

Vou oferecer, a partir do dia 14 de março, um curso de introdução a Walter Benjamin na USP. Publico aqui as informações ao público interessado. O curso está aberto a todas e todos.

Título: “Sobre o conceito de história”: Ler Walter Benjamin hoje

Horário: quarta-feira, de 9:30 às 13:30 (do 14.03.2018 ao 30.05.2018)

Local: Universidade de São Paulo – Cidade Universitária, Rua do Lago, 717, prédio da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, sala 106A

Ementa

Um grupo de imigrantes encontra-se parado numa fronteira de um país do sul da Europa pelas autoridades locais que não os deixam passar. Frustrado pela impossibilidade de escapar, com os outros, da perseguição política e da precariedade econômica, Walter Benjamin se nega a se abandonar nas mãos da guarda civil espanhola (de Franco), que pode entregá-lo à polícia francesa (de Vichy), colaboradora da Gestapo alemã (nazista). Num último sobressalto de dignidade, ele se suicida. O seu destino se interrompe lá, nas portas do mediterrâneo, em setembro de 1940.

Mas, na maleta pesada que segurava, Benjamin tinha, dentre alguns manuscritos que valiam “mais que [sua] própria vida”, uma verdadeira máquina de guerra: 18 teses sobre o conceito de história. Isso é: 18 aforismos impactantes sobre as representações ideológicas, até fantasmagóricas, da história, e sobre como destruí-las para liberar o caminho da humanidade. Nessa Europa assombrada, Benjamin, cuja trajetória de vida é testemunho das ruínas, nos deixa o seu testamento filosófico, uma luz de esperança, uma tentativa de se pensar as possibilidades humanas de transformação da história através de uma nova relação entre o presente e o passado, entre a política de hoje e a memória de ontem. E justamente: o que significa ler esse texto para nós hoje? O que podemos perguntar a Walter Benjamin? E mais: o que ele pode nos estar perguntado?

Conteúdo

O curso consiste em uma leitura rigorosa das 18 teses sobre o conceito de história, das variantes e dos adendos, no texto original alemão, na versão francesa escrita pelo autor e nas traduções para o português. Cada uma das 12 aulas será dedicada à leitura e interpretação de uma até duas teses, comparando as versões, colocando-as no contexto político, biográfico e filosófico mais amplo do autor (das consequências da Revolução Russa até a subida dos nazistas ao poder, das rupturas do teatro brechtiano até as imprevisibilidades da memória proustiana, de um colecionador comprando um pequeno retrato numa galeria de Berlim até a significação dos anjos na produção de Paul Klee…) e medindo o que significa, para nossa própria atualidade, escutar esse texto hoje, diante de um continente europeu em crise e de um continente americano sem memória. Dado que a filologia sem atualidade é cega e que a atualidade sem filologia é vazia, o objetivo aqui é o de combinar, a título de exercício coletivo, filologia e atualização, o ler Walter Benjamin e o ler hoje.

Forma de avaliação

A avaliação consistirá em um trabalho final dissertativo: a seleção, pelo estudante, de um pequeno texto de Walter Benjamin em toda a produção bibliográfica do filósofo (não somente as teses) e um exercício de comentário de quatro até cinco páginas (10.000 até 15.000 toques), que combine uma leitura atenta do texto com as suas ressonâncias em nossa atualidade, particularmente na América Latina.

Bibliografia (os livros com asterisco* estão disponíveis nas bibliotecas da SIBi)

Bibliografia principal (a ler)

Berdet Marc, “L’Ange de l’Histoire. Walter Benjamin ou l’apocalypse méthodologique”, Socio-anthropologie n° 28, Paris, Publications de la Sorbonne, 2013, p. 47-63.

LINK: https://socio-anthropologie.revues.org/1540.

Berdet Marc, “Walter Benjamin e a Memória da Comuna”, Revista Limiar, vol. 3, n° 6, 2016, p. 141-162.

LINK: http://www2.unifesp.br/revistas/limiar/.

Gay Peter, A cultura de Weimar, São Paulo, Paz e Terra, 1978*.

Löwy Michael, Walter Benjamin: aviso de incêndio. Uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”, São Paulo, Boitempo Editorial, 2012*.

Bibliografia complementar (para consulta)

Adorno Theodor, Prismas. Crítica cultural e sociedade, São Paulo, Ática, 1998*.

Arendt Hannah, Homens em tempos sombrios, São Paulo, Companhia das Letras, 1987, Chap. V*.

Berdet Marc, Fantasmagories du capital. L’invention de la ville-marchandise, Paris, La Découverte, 2013*.

Berdet Marc, Le chiffonnier de Paris. Walter Benjamin et les fantasmagories, Paris, Vrin, 2015*.

Berdet Marc, Walter Benjamin. La passion dialectique, Paris, Armand Colin, 2014*.

Buck-Morss Susan, Dialética do olhar. Walter Benjamin e os projetos das passagens, Belo Horizonte, Argos, 2002*.

Eagleton Terry, Walter Benjamin rumo a uma crítica revolucionária, Fortaleza, Omni, 2010*.

Gagnebin Jeanne-Marie, Historia e narração em Walter Benjamin, São Paulo, Perspectiva, 1999*.

Gagnebin Jeanne-Marie, Limiar, aura e rememoração. Ensaios sobre Walter Benjamin, São Paulo, Editora 34, 2014.

Gatti Luciano F., “Correspondências entre Benjamin e Adorno”, Revista Limiar, vol. 1, n° 2, 2014, p. 178-258.

LINK: http://www2.unifesp.br/revistas/limiar/limiar_2014_vol-1_nr-2.html

Jäger Lorenz, Walter Benjamin. Das Leben eines Unvollendeten, Berlin, Rowohlt, 2017.

Löwy Michael, Redenção e utopia. O judaísmo libertário na Europa central (Um estudo de afinidade eletiva), São Paulo, Companhia das Letras, 1989*.

Missac Pierre, Passagem de Walter Benjamin, São Paulo, Iluminuras, 1998*.

Mosès Stéphane, L’ange de l’histoire. Rozenzweig, Benjamin, Scholem, Paris, Seuil, 1992 [existe em espanhol e inglês].

Rochlitz Rainer, O desencantamento da arte. A filosofia de Walter Benjamin, Bauru, Edusc, 2003*.

Scholem Gershom, Walter Benjamin, a historia de uma amizade, São Paulo, Perspectiva, 1989*.

Seligmann-Silva Márcio, A atualidade de Walter Benjamin e de Theodor W. Adorno, Rio, Civilização Brasileira, 2010*.

Taibo Carlos, Walter Benjamin. La vida que se cierra, Madrid, Catarata, 2015.

Traverso Enzo, La pensée dispersée. Figures de l’exil judéo-allemand, Paris, Lignes/Léo Scheer, 2004.

Waizbort Leopoldo, “Norbert Elias e Walter Benjamin. Correspondência completa (1938), in Plural. Revista de ciências sociais. Universidade de São Paulo, n° 5, jan-jun 1998, p. 176-184.

LINK: http://www.revistas.usp.br/plural/article/viewFile/76248/79987

 

LINK Janus-USP:

https://uspdigital.usp.br/janus/componente/catalogoDisciplinasInicial.jsf?action=3&sgldis=FLS5179


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.